Construção
Os Bastidores da Liuteria

 

Os materiais

Os materiais usados nas construções dos instrumentos musicais são um dos principais fatores dos quais implicaram no desenvolvimento acústico e na qualidade final dos instrumentos. Sabemos que os instrumentos foram projetados para que vibrem livres de tensões. As tensões causam distorções sonoras e diminuem consideravelmente o desempenho do instrumento. As tensões podem ser causadas por diversos fatores, como: verniz sem elasticidade; ângulo errado do braço; altura errada do cavalete; alma mal ajustada; deformações da madeira ou das peças; etc... As deformações aparecem normalmente em instrumentos mal construídos ou que tenham sido construídos com madeiras novas, estas deformações são causadas devido a secagem ou envelhecimento natural da madeira (encolhimento da madeira), é por isto que os melhores instrumentos são construídos com madeiras antigas ou que tenham passado por um processo rigoroso de tempera (processo lento de secagem e assentamento das moléculas da madeira).

 

O Mercado

A Internet tem ajudado cada vez mais para a globalização, cada dia fica mais fácil de se adquirir bons e maus instrumentos por baixos preços. A China é um bom exemplo disto, pois possui uma mão de obra baixa, em relação a outros paises do mundo, eles tem fácil acesso as madeiras e ferramentas necessária para a construção de instrumentos musicais. Eles como outros paises constroem bons a maus instrumentos musicais. Esta grande demanda de instrumentos exige que o mercado crie novas categorias de instrumentos, basicamente estas categorias são classificam como:

1.Categorias de instrumentos Profissionais (Luthier). Estes são os famosos instrumentos construído pelos Liutaios ou como são mais conhecidos Luthier, usam somente materiais de extrema qualidade (madeiras que tenham passado por um processo rigoroso de tempera, formulas especiais de vernizes, etc.), dedicam centenas de horas de trabalho manual na construção de cada instrumento.

2. Categorias de instrumentos Intermediários (Oficinas). Usam técnicas menos refinadas de construção porém funcional e mais produtiva, onde contam com a supervisão de profissionais, usam materiais intermediários (madeiras que tenham passado por um processo de tempera natural ou artificial, vernizes mistos de rápida secagem).

3. Categorias de instrumentos Estudante (Fábricas). Sem dúvida a categoria que produz mais instrumentos, esta categoria é suprida pelas grandes fábricas que para baratear os custos finais dos instrumentos usam materiais mais baratos (madeiras verdes ou que não tenham passado por um processo de tempera adequado, verniz industrial), técnicas de construções em massa onde contam com a ajuda de equipamentos e máquinas processadoras.

Super instrumentos

Esta é uma categoria a parte, onde os mais conhecidos são os Instrumentos antigos: Amati, Stradivarius, Guarnarius e outros, estes instrumentos se encontram em poder de Grandes Músicos, Museus e de Colecionadores, outros instrumentos que são considerados como a nata da Liuteria são as Réplicas e Cópias, estes são construídos por Mestres liutaios que os levam para participar de Grandes Campeonatos de Liuteria que acontece em diversos países, onde os melhores instrumentos são premiados com medalhas e títulos especiais, estes adquirem um grande valor e prestígio, são vendidos para colecionadores e músicos e ao publico interessado.

O Bom Instrumento

O bom instrumento é aquele que produz um som constante, limpo, equilibrado, com grande potência e fácil de ser executado. Nem sempre é tão belo, perfeito ou seu valor é alto, mas é totalmente funcional, tanto para estudantes quanto para profissionais.

O Timbre

Este é sem dúvida o aspecto do instrumento mais subjetivo de todos, o Timbre se refere a qualidade da voz do instrumento, para classificar o timbre do instrumento usamos diversas expressões como: doce, seco, ardido, escuro, claro, morno, frio, quente, etc... Estas expressões podem variar dependendo da cultura e de cada região.

Não existe um padrão de expressões para classificar o Timbre, em alguns lugares o timbre é comparado até mesmo com sensações. O timbre mas familiar ao ser humano é de sua própria voz, sendo assim os grandes mestres construíam seus instrumentos com base nas vozes dos grandes cantores de suas épocas. Infelizmente muitos construtores de instrumentos desconhecem este fator e constroem seus instrumentos com base no som que ouvem em gravações de violinistas famosos que na maioria das vezes são sintetizadas.

Os Músicos

A cada dia milhares de pessoas iniciam seus estudos na música, eles procuram normalmente instrumentos baratos, o que os leva a comprar instrumentos da categoria Estudante. Depois de algum tempo estes estudantes percebem ou são aconselhados por seus professores a adquirirem instrumentos melhores, o que permitirá maior desenvolvimento musical, instrumentos mas funcionais que produzem um melhor som, mais fáceis de serem executados. Para os que seguem a carreira musical a fim de se profissionalizar, certamente procurarão os melhores instrumentos entre custo e benefício disponíveis no mercado.

 

Aperfeiçoamento Musical

Sabemos que o aperfeiçoamento do músico é sinônimo de muita paciência e dedicação, mas o que muitos músicos não sabem é que seu desenvolvimento e aperfeiçoamento pode depender também do instrumento em que estuda, exemplo, muitos instrumentos tem graves problemas de medidas em suas escalas, isto dificulta o desenvolvimento da afinação, instrumentos que são tensos forçam o músico a passar o arco com mais força no instrumento diminuindo assim o desempenho da mão direita, o mesmo pode acontecer com a mão esquerda.

Harmonização

O desempenho acústico do instrumento não depende somente de sua construção, mas também de seus ajustes e harmonizações finais. São estes ajustes e harmonizações finais que podem facilitar ou dificultar a execução e desempenho do instrumento, um simples exemplo: Um cavalete de um violino muito alto pode causar tensão excessiva na corda, para corrigir este problema o violinista terá que por maior força no arco, o som será prejudicado com distorções, e a mão esquerda ficará mais lenta. Por tanto não adianta ter um bom violino desajustado. Alguns luthier oferecem serviços de harmonização e ajustes, porém devemos sempre levar em conta até quanto devemos investir em nosso instrumentos.

 

Ajustes desnecessários e Danos Irreparáveis

Uma cena muito comum de danos irreparáveis é a troca de verniz, muitos grandes violinos que deveriam valer centenas de milhares de dólares sofreram a troca de verniz, o motivo, um simples arranhado, machucados ou manchas causadas pelo desgaste natural do tempo. Hoje em dia é muito comum ter leigos, curiosos e aproveitadores que com intuito de ganhar dinheiro, eles oferecem ajustes e harmonizações desnecessárias, por isso procure sempre obter referências do luthier ao qual você levará seu instrumento. Outra história muito conhecida é a reharmonização de violinos baratos, um violino que custa R$ 300,00, sim, merece um ajuste de R$ 240,00 ou pouco mais, porém alguns oferecem o serviço de desmontar o instrumento para tirar madeira e trocar o verniz afim de melhorar o som, o gasto será tão grande que dá para comprar um violino de categoria intermediaria, sem dizer que existe a chance do som do violino não melhorar e até mesmo de piorar.

 

Dicas de conservação do instrumento. Veja mais...


Construção